top of page

Me diga como andas, que te direis como estais...



Sim,2023 chegou! E com ele também veio toda aquela necessidade de recuperar o tempo que foi paralisado durante os últimos anos devido a pandemia.


E essa retomada para algumas pessoas não está sendo fácil e as causas são diversas, na minha prática clínica (que se intensificou nesse período) tenho atendido pessoas que se queixam de dificuldades relacionadas: lidar com as sequelas do Covid19, questões sobre a convivência familiar, metas profissionais e várias outras queixas.


Alguns sentimentos indesejados surgem e se prevalecem desse estado, como: raiva, angustia, confusão, entre outros que podem se tornar algo patológico como depressão, ansiedade e estresse.


Algo que me chama atenção é o fato de boa parte das pessoas que atendo enfatizarem que o que mais as irrita são os problemas emocionais e como esses começaram a atrapalhar a forma de locomoção, ou seja, quando a pessoa sente e passa por alguma situação que não consegue entender e resolver, e quando a solução mais viável é o isolamento.


Uma situação não resolvida cria receio do desconhecido, o que é normal até o ponto que isso não afete a nossa rotina e nos impeça de viver em harmonia conosco e com o mundo.


“Mas bela e como eu começo a perceber que tem alguma coisa errada?”


Respondo: Quando alguma “coisinha” fica martelando na sua cabeça e te irrita, chateia, deprime ou te faz sentir sentimentos, pensamentos e sensações que você não tem costume de vivenciar.


Nesse momento um alerta é acionado e então esse é o momento de procurar ajuda. A busca por uma escuta especializada pretende te oferecer um suporte emocional para lidar com situações atuais e te preparar para identificar, lidar e resolver problemas, trabalhando na prevenção.


Pelo menos na minha conduta clinica busco promover a saúde mental através da prevenção, nesses 11 anos atuando em psicologia clínica tenho a percepção nítida que as pessoas que buscar o acompanhamento psicológico elas estão dispostas a se tornarem seres melhores e consequentemente promover o amadurecimento emocional.


Toda queixa que emerge no processo de reflexão nos favorece na relação de vários setores da nossa vida, como: o contato com as pessoas ao nosso redor melhora, nos comunicamos melhor com conhecidos e amigos, o contato com colegas de trabalho flui, nossa locomoção melhora e questões que antes eram desafiadoras e travadas começam a fluir, as melhorias são significativas.


É claro que a relação com o trânsito melhora e escuto relatos de pessoas que me afirmam que depois do iniciou a psicoterapia, comportamentos praticados no trânsito começam a ser modificados, por exemplo, quando se ouvi uma buzina alta ou um bater de porta, que te estressava e estragava o seu dia, hoje já são irrelevantes, pois suas questões pessoais estão sendo diluídas e resolvidas e no contato com outras pessoas no trânsito não surge a necessidade de extravasar.


Agora você tem uma pessoa e um espaço para ser escutado e não será um carro, ônibus ou qualquer outro meio de transporte que esses dilemas poderão emergir. Pois está tudo sob controle, e a sua Psicoterapia funciona!


Você não é uma pessoa estressada, você estar estressada. E se tudo é situacional, tudo pode ser resolvido.