Vou de táxi....


“Vou de táxi, cê sabe”, trecho do clássico dos anos 80 quase 90, cantarolado por Angélica, a música tem pouco sentido sobre a função do táxi em si, fala mais de uma suposta adolescente que estava com saudades de alguém e chama um táxi para ir se encontrar com a saudosa pessoa.

Um ponto engraçado que percebi nessa música agora é que talvez o namorado de Angélica seja o taxista! Veja: “Vou de táxi, Mas só com você (só com você), Vou de táxi, Só pra te ver (só pra te ver)”. Enfim, se ele era o amorzinho ou não dela não sei, mas essa música tocou tanto naquela época que acredito que a profissão de taxista deve ter bombado, eu lembro que até uns quinze anos atrás andar de táxi era coisa de gente rica, poucas pessoas usavam esse meio como transporte rotineiramente.

Quando chegamos a Salvador, passamos um bom tempo usando o carro e vimos que a rotina não favorecia passar tanto tempo atrás de um volante e os gastos também. Vendemos o carro e hoje utilizamos táxi várias vezes ao dia. Com os aplicativos esse serviço melhorou: a quantidade de prestadores de serviço aumentou e, consequentemente, a qualidade. Com a concorrência acirrada de aplicativos, cooperativas e motoristas, hoje a locomoção dessa forma é a nossa melhor opção.

E com o passar do tempo comecei a trabalhar com esse público, oferecendo treinamento sobre qualidade de atendimento, postura e imagem. Escuto muitos relatos diariamente e observo também que alguns comportamentos que aplico são eficazes, pois facilita a vida de todo mundo. São coisas simples que se aplicadas diariamente podem facilitar o seu transporte, evitar estresse e claro fazer com que a sua chegada seja a melhor possível. São elas:

• Colocar sempre o cinto Não esqueça! Entrou no carro coloque o cinto e te autorizo a pedir para as outras pessoas colocarem juntamente e se por um acaso o motorista estiver sem (isso pode acontecer) gentilmente você solicita que ele o coloque também. Pode pedir, não tenha vergonha.

• Leve dinheiro trocado Não é segredo para ninguém que estamos em crise econômica e a mesma chegou ao setor de transportes. Para adiantar o seu lado, leve dinheiro trocado (notas pequenas e moedas) ou veja se o motorista aceita cartão, muitos motoristas aceitam já por não ter troco e segurança mesmo.

• Evite conversar com o motorista Eu sei que conversar é bom, conhecer pessoas novas também, mas pense que a pessoa que estar te conduzido naquele momento se encontra no período de trabalho e ele pretende oferecer o serviço da melhor forma possível. Se você puxar conversa ele irá fazer o maior esforço para te ouvir e responder, tirando assim a atenção do trânsito. Seja prudente, só converse o necessário. Te garanto que você chegará ao seu destino segura e o profissional terá feito o seu trabalho da melhor forma possível.

Dica de música: Táxi Lunar Composição: Elba Ramalho, Zé Ramalho, Geraldo Azevedo.

Dica de filme: Colateral (2004)


Textos em destaque
Posts em breve
Fique ligado...
Posts recentes